Quarta-feira, 21 de Março de 2012
Do deserto para Jerusalém

 

          De Nazaré, na bacia do Jordão, atravessando o espectacular vale de Jezrael, milagre de produtividade agrária de Israel, seguimos com destino ao deserto de Qumran que tem no Mar Morto e Jericó os principais pontos de referência. Foram cerca de duas horas de viagem que demorou a chegar à meta, ou melhor dito, a uma delas, mas esta, devido à hora e ao apetite, além do regalo para a vista, também o estômago ficou agradecido.

 

          Vale de Jezrael, já em parte nosso conhecido aquando da visita ao Monte Tabor

           Ainda no vale de Jezrael

 

           Deixando para trás o produtivo vale de Jezrael, continuamos na bacia hidrográfica do Jordão, mas agora mais juntos ao leito do rio que faz fronteira com a Cisjordania

 

           Montanhas do deserto

           Planura do deserto da Judeia ao longo da linha fronteiriça de Israel com a Cisjordania 

 

           Aqui mesmo juntinho à estrada a rede que eletrificada ao longo da fronteira limita duas soberanias territoriais

 

           Qumran é hoje um lugar muito visitado e conhecido em todo o mundo, em virtude de  lhe andar associada, desde  1947, a descoberta dos famosos Manuscritos do  Mar Morto, que  um grupo de pastores  fez  numa caverna, quando  procurava  uma rés que faltou no fato. Com museu, espaço comercial, restaurante e ruínas em exploração, Qumran tornou-se um ponto de referência neste deserto às portas do Mar Salgado Visitamos e almoçamos nesse recôndito santuário de névoa cinzenta e vapor  salgado,

           Ruínas de Qumran

           No morro em frente vê-se a janela aberta da caverna onde foram encontrados dentro de jarros de barro os papiros que hoje estão guardados a sete chaves no Santuário do Livro, em Jerusalém.

          Mar Salgado ou Mar Morto é o ponto mais baixo da superfície da terra em relação ao nível do mar, 400m. O lago tem de profundidade 430 m e 76km de extensão. Alimentado pelo Jordão e algumas raras nascentes, a evaporação é tamanha que o seu conteúdo ronda os 30% de sal. Tão intensa em minerais que mantém uma pessoa a boiar sem ir ao fundo.

Video com cena no Mar Morto

          Com o estômago farto e a vista regalada,  deixamos este assombroso recanto  de chão estéril e mar densamente salgado para continuar a nossa jornada em direcção a Jerusalém que dista do Mar Morto  cerca de 25km, mas antes passando por Jericó, onde para nosso azar, mas sorte para a região, a chuva forte que caiu, já nós entrados na cidade, impediu que descêssemos do autocarro. Apenas lá recolhi a foto de um sicômoro com história visto protegido por gradeamento. " Jesus entrou em Jericó e atravessou a cidade. Havia lá um homem rico chamado Zaqueu, chefe de cobradores de impostos. Queria ver quem era Jesus, mas era muito baixo não conseguia, por causa da multidão. Correu então adiante do povo, subiu a uma figueira brava (sicômoro) e ficou à espera que Jesus por ali passasse para ver" (Lc 19: 1-5). Zaqueu ou seja São Bartolomeu.

 

           Ficou ainda por visitar, além da nasceste de Elisha, que dizem debita 3.785 litros de água por minuto - um milagre no deserto !- , também as muralhas da cidade antiga, assim como o respectivo acesso em telesférico. É dos locais que se tiver oportunidade não regateio lá  voltar. Que desta vez os 9km que separam o Mar Morto de Jericó valeram apenas pela sensação que me deram em conhecer a terra de São Bartulomeu e onde também Jesus viveu.



publicado por aquimetem às 16:45
link do post | comentar | favorito

2 comentários:
De mg a 30 de Março de 2012 às 16:46
Estes terrenos, que bem cultivados, apesar de ser logo ali, a aridez do deserto da Judeia.
Gostava de saber o que dizem os manuscritos en-contrados em Qumran. Gosto sempre de ver ruínas. Fico a imaginar sempre, quem andaria por ali, e como seria d'antes...
Aqui no mar, parece que estava frio, mas o que andavam a fazer na água? ...


De aquimetem a 2 de Abril de 2012 às 01:20
Os israelitas têm todo o seu espaço arável super aproveitado . Eles fizeram do deserto um jardim. Os manuscritos do mar morto, como são conhecidos também, tratam de vários temas, mas em particular de matéria religiosa, bíblica . Foi das maiores descobertas arqueológicas do século passado. As pessoas ali andam no mar pelo prazer de tomar banho sem ir a perigo de se afundar. Mas nem todos vão ao banho. Não estava frio, mas vento sim. E aquele mar com ondas que não é costume, dizem.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Vão a Ávila com a Bajouca...

Não poder aproveitar

À Verde Pino

Visita à Terra Santa

De visita a Jerusalém

Muro das Lamentações

Basílica do Santo Sepulcr...

Via Dolorosa

Dentro das muralhas

De Ein Karem ao Menorah

arquivos

Maio 2015

Agosto 2013

Junho 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

tags

todas as tags

favoritos

paula-travelho

Boletim ou Folha - 1

Bodas de Prata duma Prela...

O valor a quem o tem !

Razões para uma escolha

Os manos

BTT- Fisgas de Ermelo - S...

Coisas que não esquecem

Errar é próprio do homem

Laranjeiras

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds