Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

toumilo

toumilo

31.03.12

Ein Karem - a terra do Precursor

aquimetem

          A manhã de domingo, dia 19, foi gasta, na maior parte, a visitar a igreja de São João Baptista e a da Visitação que ficam ambas na pitoresca aldeia rural de Ein Karem, a uns 7km afastada de Jerusalém. Desenvolveu-se o centro de pequena vila, à volta de uma fonte que dizem remontar ao período Cananita, na era do Bronze,  e as suas águas constituíam um recurso importantíssimo para os habitantes do lugar. Segundo a tradição cristã a Virgem Maria quando chegou a Ein Karem em visita a sua prima Isabel terá bebido nesta fonte antes de se encontrar com a parente. Razão que explica o porquê de tantos peregrinos encherem ali garrafas com água dessa "fonte milagrosa". Fonte que desde séc XIX os árabes quiseram valorizar, construindo uma mesquita por cima da estrutura de uma fonte cuja água actualmente apenas é utilizada para rega das terras.

          Às 06h15 (08h15 em Israel) já nós estavamos a entrar no recinto da igreja de São João Baptista para iniciar mais uma jornada em peregrinação pelos  trilhos da Terra Santa. E cada lugar com seu historial, aqui para além de São João, também seus pais, Zacarias e Isabel, assim como Nossa Senhora e São José emergem ao pensamento e ocupam o nosso reflectir cristão sempre que se visite um lugar destes. Só a chuva é que não ajudou na passagem por Ein Karem

            

          Na cauda do grupo e todo molhado, preparo-me para também subir as escadas e entrar no templo consagrado a "São João de Ba Harim" que quer dizer " São João nas montanhas". A primitiva construção é do séc. V, e assente sobre as ruínas do que foi a casa dos pais de São João, mas entratanto sofreu muitas alterações ao longo dos séculos, a mais recente foi no séc XIX, na década de 30, já sob responsabilidade dos franciscanos

          Interior rico em azulejo, predominantemente azul.

           São João Baptista, em Ein Karem

 

           Na parte inferior fica a "Gruta Benedictus" local onde nasceu São João e que uma estrela de mármore sob o altar assinala com uma frase   gravada em Latim: " Aqui nasceu o precursor do Senhor". 

           Este é um pedaço da pedra, por atrás da qual Isabel escondeu João Baptista da ferocidade de Herodes, salvando assim a criança de morrer às mãos sangrentas e  cruéis da soldadesca. É uma curiosidade, para quem visita o lugar, ver nesta pedra a marca de um corpo de criança que dizem terá ali deixado São João quando Isabel o escondeu dos soldados de Herodes, na altura do Massacre dos Inocentes.

 

           No adro da igreja, um azulejo contém gravado, em português, o cântico de Zacarias (Lc.1:67-80) 

 

         Como a de São João Baptiista a recordar o nascimento do precursor, também a igreja da Visitação  ou do Magnificat está sob custódia franciscana. Esta, lembra a visita de Nossa Senhora a sua prima Isabel e a resposta que Maria deu ao ser saudada por Isabel.(Lc.1:39-45; 46-56)

          Interior da igreja da Visitação.

 

           No tecto uma cena do encontro de Maria com Isabel ( a Visitação). A igreja da Visitação foi construída em meados do séc. XX sobre os vestígios de antigas construções sagradas, das epocas Bizantinas e Cruzadas.

           O edificio consta de duas partes:igreja superior, onde o serviço religioso decorre, e a cripta, onde está o fonte da qual brotou água no momento em que Isabel recebeu a Mãe de Jesus.

 

           Às 07h50 estavamos a passar junto este mural adornado com o hino a Magnificat, em mais de quarenta linguas reproduzido, para deixar a terra que viu nasceu São João Baptista e a mim me fez recordar a nossa serra de Sintra, até pelo seu microclima.

28.03.12

A gruta de Belém

aquimetem

 

          Concluída a visita à área histórica de Galicante, aproveitamos ainda para do seu miradouro admirar a paisagem que dali se recolhe do Monte das Oliveiras e aqui à direita do vale da Geena, a que Jesus faz referência, pois ali era quimado o lixo da ciddade.

         De Galicante dirigimo-nos para a parte nova da cidade, onde junto ao Santuário do Livro visitamos a maquete gigante da cidade antiga, tal como era no tempo de Jesus.

 

           E após a visita seguimos em direcção a Belém para na área do Campo dos Pastores almoçar, e concluir a jornada desse dia 18 com a visita à Basílica da Natividade.

 

         Basílica da Natividade

           Numa das muitas grutas (oratórios) da basílica, a de Santa Catarina,  foi celebrada a Eucaristia do dia pelo nosso assistente espiritual Sr. Padre Melquiades.

 

           Vídeo onde mostra o celebrante no momento do seu comentário à volta do evangelho e lugar onde a Missa decorreu.

           Também no fim da celebração foi dado o Deus Menino a beijar

 

           Uma parte do rico altar-mor que é partilhado com outras confissões

           Local onde segundo a tradição cristã nasceu Jesus. Por baixo da estrela, na cripta,  fica uma pequena gruta que é tida como sendo o local exacto onde Jesus nasceu.

 

          A gruta de Belém ou da natividade. "Gloria a Deus nas alturas e paz na terra aos homens do Seu agrado" (Lc 2: 14-20)

 

           Presépio de interior

       Presépio de rua.

25.03.12

São Pedro de Galicante

aquimetem

          Depois da visita à igreja da Dormição saímos com distino a São Pedro de Galicante também no Monte Sion

           Rocha volcanica utilizada nos muros e pavimentação

 

          ...... Mas que se vê menos usada nos monumentais edifícios da cidade de David, como mostra esta foto e as que vêm a seguir, onde predomina o calcário.

           Outra igreja famosa é São Pedro de Galicante que na manhã do dia 18 visitamos. Construída pelos padres Agostinhos da Assunção, em 1931, sobre as ruínas de outra bizantina que ali existiu, esta deslumbrante igreja situada na encosta leste do Monte Sion lembra aquela atitude de São Pedro quando negou à criada de Caifas que conhecia Jesus.

          Por este orifício eram atirados os presos para o fundo de uma cela escura e fria, donde depois eram retirados por uma escada.

 

           Escavações arqueológicas feitas ali dão conta de váris câmaras (prisões) onde se crê tenha sido nesta que Jesus esteve preso na noite em  que Judas O atraiçoo e os soldados O trouxeram para ser apresentado ao  sumo-sacerdote Caifás, que tinha o seu palácio no local, ao tempo ainda dentro das muralhas da cidade.

           Ruínas do palácio de Caifás

           Aqui uma cena muito bem concebida, com esculturas de bronze onde mostra São Pedro do lado de fora do palácio no ouviu do " Canto do Galo" - galicantu - que o mestre havia predito : "Antes que o galo cante, me negarás três vezes" (Mt 26: 69-75). Razão porque a igreja se chama Galicante.

           A par do pátio da igreja, esta calçada ainda com algum empedrado do tempo em que  decorreram os acontecimentos narrados pelos evangelistas e se crê terá passado Jesus quando conduzido à presença de Pilatos para ser condenado.

 

         O topo da calçada, que ao tempo não  tinha este muro a impedir o seu prolongamento, dado que este troço já ficava no interior das muralhas da cidade de David. Hoje faz parte de um complexo estrutural onde com muito êxito o antigo combina com o moderno que é motivo de admiração para todos quantos visitam Galiicante.

         O interior da igreja de São Pedro

 

         Igreja de São Pedro de Galicante, no Monte Sion-Jerusalém

22.03.12

Da Ascensão à Igreja da Dormição

aquimetem

           Panorama visto do 9º andar do Hotel Shalom Rimonim que fica numa bela colina a uns 10minutos de carro afastado do Monte das Oliveiras, eram 05h45.

           Às 06h30 já nós com o pequeno almoço servido e no Monte das Oliveiras à espera para entrar na capela da Ascensão, construída no local onde segundo  a tradição cristã se deu esse miraculoso acontecimento com Jesus.

          No interior da capela está a "rocha da ascensão", com a marca do pé deixada por Jesus antes da sua Ascensão aos Céus.

           Entrada e saída da capela da Ascensão.

          Perto da capela, confiada a  muçulmanos, fica a igreja do Pai Nosso, local onde nas paredes do jardim existem azulejos com a oração que Nosso Senhor ensinou aos Apóstolos, escrita em todas as línguas universalmente conhecidas.

            Gruta onde Jesus descansava e pernoitava quando vinha a Jerusalém, e onde primeiro ensinou o Pai Nosso aos Apóstolos.

         O Pai Nosso em português. Cada um escreve como sabe...E agora com o novo acordo ortográfico já nem nós sabemos quem escreve bem ou mal. É bom para os analfabetos.

 

           Jardim da igreja do Pai Nosso, em dia de muita chuva.

 

          Deixamos a Monte das Oliveiras e partimos para o Monte Sião

          OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

 

           Dos pontos de visita mais notáveis no Monte Siom, o Cenácolo é um; talvez o mais importante para os fieis cristãos. Ali foi onde Jesus celebrou a última Páscoa e instituiu a Ceia do Senhor, a Eucaristia.

 

           A igreja e o mosteiro da Dormição, no Monte Sion, têm a configuração de uma fortaleza medieval. Construída sobre as fundações do passado histórico, diz a tradição que Nossa Senhora ali terá vivido depois da Ascensão de Seu Divino Filho aos Céus.

           O Monte Sião de inicio correspondia apenas á área ocupada pela cidade de David, hoje nesse espaço fica a igreja da Dormição.

 

          No interior, um dos seus ricos altares

 

           Na cripta, numa espécie de câmara-ardente, uma escultura representa Nossa Senhora dormindo antes da sua Assunção aos Céus.

           Altar-mor da Igreja da Dormição

21.03.12

Do deserto para Jerusalém

aquimetem

 

          De Nazaré, na bacia do Jordão, atravessando o espectacular vale de Jezrael, milagre de produtividade agrária de Israel, seguimos com destino ao deserto de Qumran que tem no Mar Morto e Jericó os principais pontos de referência. Foram cerca de duas horas de viagem que demorou a chegar à meta, ou melhor dito, a uma delas, mas esta, devido à hora e ao apetite, além do regalo para a vista, também o estômago ficou agradecido.

 

          Vale de Jezrael, já em parte nosso conhecido aquando da visita ao Monte Tabor

           Ainda no vale de Jezrael

 

           Deixando para trás o produtivo vale de Jezrael, continuamos na bacia hidrográfica do Jordão, mas agora mais juntos ao leito do rio que faz fronteira com a Cisjordania

 

           Montanhas do deserto

           Planura do deserto da Judeia ao longo da linha fronteiriça de Israel com a Cisjordania 

 

           Aqui mesmo juntinho à estrada a rede que eletrificada ao longo da fronteira limita duas soberanias territoriais

 

           Qumran é hoje um lugar muito visitado e conhecido em todo o mundo, em virtude de  lhe andar associada, desde  1947, a descoberta dos famosos Manuscritos do  Mar Morto, que  um grupo de pastores  fez  numa caverna, quando  procurava  uma rés que faltou no fato. Com museu, espaço comercial, restaurante e ruínas em exploração, Qumran tornou-se um ponto de referência neste deserto às portas do Mar Salgado Visitamos e almoçamos nesse recôndito santuário de névoa cinzenta e vapor  salgado,

           Ruínas de Qumran

           No morro em frente vê-se a janela aberta da caverna onde foram encontrados dentro de jarros de barro os papiros que hoje estão guardados a sete chaves no Santuário do Livro, em Jerusalém.

          Mar Salgado ou Mar Morto é o ponto mais baixo da superfície da terra em relação ao nível do mar, 400m. O lago tem de profundidade 430 m e 76km de extensão. Alimentado pelo Jordão e algumas raras nascentes, a evaporação é tamanha que o seu conteúdo ronda os 30% de sal. Tão intensa em minerais que mantém uma pessoa a boiar sem ir ao fundo.

Video com cena no Mar Morto

          Com o estômago farto e a vista regalada,  deixamos este assombroso recanto  de chão estéril e mar densamente salgado para continuar a nossa jornada em direcção a Jerusalém que dista do Mar Morto  cerca de 25km, mas antes passando por Jericó, onde para nosso azar, mas sorte para a região, a chuva forte que caiu, já nós entrados na cidade, impediu que descêssemos do autocarro. Apenas lá recolhi a foto de um sicômoro com história visto protegido por gradeamento. " Jesus entrou em Jericó e atravessou a cidade. Havia lá um homem rico chamado Zaqueu, chefe de cobradores de impostos. Queria ver quem era Jesus, mas era muito baixo não conseguia, por causa da multidão. Correu então adiante do povo, subiu a uma figueira brava (sicômoro) e ficou à espera que Jesus por ali passasse para ver" (Lc 19: 1-5). Zaqueu ou seja São Bartolomeu.

 

           Ficou ainda por visitar, além da nasceste de Elisha, que dizem debita 3.785 litros de água por minuto - um milagre no deserto !- , também as muralhas da cidade antiga, assim como o respectivo acesso em telesférico. É dos locais que se tiver oportunidade não regateio lá  voltar. Que desta vez os 9km que separam o Mar Morto de Jericó valeram apenas pela sensação que me deram em conhecer a terra de São Bartulomeu e onde também Jesus viveu.

19.03.12

De Séfores a Nazaré

aquimetem

          Vamos iniciar mais uma jornada e desse modo abandonar as margens do mar que por não ter ligação com outros mares ou oceânicos é chamado “mar isolado”. Fica a 213 metros abaixo do nível do Mar Mediterrânico e constitui o recurso hídrico mais importante para Israel. Dali partem canalizações para abastecer de agua a quase totalidade das grandes cidades, e irrigar a maior parte das terras cultivadas do país. É o lago de  água doce mais baixo do mundo. A sua profundidade máxima é de 43m. Tem de comprimento cerca de 20k e de largura máxima 13k. É conhecido por mar da Galileia ou de Tiberiades, ou simplesmente  por Lago.

          Com o pequeno almoço já servido e a bagagem no autocarro, partimos de Tiberiades directos a Séfores que fica numa zona de montanha a uns 8km de Nazaré. Embora o nome não conste  no  Antigo Testamento, nem no Novo, é tradição local  que eram dali os pais de Nossa Senhora, São Joaquim e Santa Ana, e também Ela ali teria nascido. 

 

          Foi por algum tempo capital da Galileia ocidental, e dai estar sempre sujeita a invasões e destruição por parte dos exércitos interessados no controle da região. Romanos, turcos, cruzados de tudo por ali passou, e asneirou também.

          Séfores (Sepphoris) que estava a ser reconstruída quando Jesus viveu em Nazaré foi uma cidade que prosperou sob domínio bizantino, muitas das suas casas aristocratas estão agora a ser desenterradas, e outras já deixam ver marcas do seu esplendor de outrora, sobretudo no que respeita a mosaicos.  

          Sempre com o tempo controlado, eram 06h20 já nós estávamos com a visita feita a toda a área arqueológica de Séfores, ainda em exploração, e prontos para continuar a jornada a caminho de Nazaré. Ah! E mais uma lição apreendi: Os israelitas mesmo antes de concluir os empreendimentos que possam ser motivo de interesse publico, dotam primeiro com bons acessos toda a área envolvente. Parecem ser portugueses...  

          Percorridos os cerca de 9km e após dobrar as colinas que rodeiam  a famosa cidade da Galileia, onde a oliveira é rainha, não tardou muito a chegar ao centro da cidade e por esta rua comercial tomar a direcção da maravilhosa Basilica da Anunciação.  "Quando Isabel já andava de seis meses, Deus mandou o anjo Gabriel a Nazaré, na Galileia, para falar com uma jovem chamada Maria, que estava noiva de José, descendente do rei David. O anjo aproximou-se dela e disse-lhe:”Eu te saúdo, ó escolhida de Deus. O Senhor está  contigo”. Maria ficou perturbada com estas palavras…….”(Lc. 1: 26-38).

           Construída sobre as ruínas de anteriores igrejas, das mais antigas se diz remontar ao séc. VI e com base em diversas lendas locais sobre a Virgem Maria, as quais começaram a despertar interesse local entre os peregrinos que entretanto construíram a primitiva igreja da Anunciação no sítio de uma fonte de agua fresca conhecida actualmente por "Poço de Maria".

 

           O interior da moderna baílica é rico e fabulosamente sedutor, como esta foto do altar-mor deixa perceber.

 

         Belo e agradável ver são os santuários marianos de todo o mundo cristão ali representados por país. Lá se encontra Portugal representado pela imagem de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

          Ao lado da basílica da Anunciação fica a igreja de São José, ambas estão ao cuidado dos franciscanos. Obra de 1914, dizem estar assente no local onde era a casa e a carpintaria de São José.

 

         Imagem de São José no interior da sua igreja

        Altar-mor da igreja de São José, em Nazaré da Galileia, onde Sr Padre Melquiades celebrou a eucaristia.

         Já na descida ao encontro do autocarro e despedida deste santo lugar da infância de Jesus e da Anunciação do Anjo a Nossa Senhora.

 

           O meu relógio marcava  09h40 quando desta cidade que dista cerca de 25 km do Mar da Galileia, e localizada a uns 9km a oeste do Monte Tabor, partimos pelo vale do Jordão em demanda do Mar Morto

14.03.12

Das Bem-aventuranças ao Primado

aquimetem

           Perto de Cafarnaum e sobranceiro a toda a área de Tabgha ou Heptapegon, "Lugar das Sete Fontes", o Monte das Bem-aventuranças é uma modesta, mas muito aprezivel colina, com vista para o mar e dotada com uma moderna igreja octogonal a recordar o Sermão da Montanha. Aqui segundo tradição cristã foi onde se deu aquela ocorrência que o Evangelho nos relata: " Ao ver a multidão, subiu a um monte, e, depois, de Se ter sentado, aproximaram-se d'Ele os discípulos. Tomando então a palavra, começou a ensiná-los, dizendo: " Bem-aventurados os....."(Mt. 5: 1-12). Também se crê que tenha sido aqui que ensinou o Pai Nosso a essa multidão. Ver Mateus (6: 9-13). Mas voltamos à colina que de facto é um lugar sedutor onde num oratório da cripta do santuário o Sr. Padre Melquiades celebrou a nossa eucaristia do dia. Obra projectada pelo arquitecto italiano António Barluzzi, esta famosa basílica foi construída entre 1936-1938, com apoio do governo italiano, e está ao cuidado dos franciscanos.

           Interior do santuário. A entrada está ornamentada como alguns objectos de culto entre os quais se destacam os paramentos ofertados por Paulo VI (1964) e João Paulo II (2000), por ocasião de visita feita ao local

 

          Oratório - na cripta da basílica, após a celebração da missa.

          Exterior e jardim do santuário

           Jardim com esta placa junto a um muro da cerca  donde se recolhe esta panorâmica do lago e toda a paisagem envolvente.

       Neste pelado que parece, mas não é nenhum carreiro ou caminho, me disse o guia ter sido onde Jesus proferiu as Bem-aventuranças. A meditar nisso, desci da colina para mais próximo do lago visitar outros lugares santos que acolheram Jesus, como o da Multiplicação dos Pães e do Primado de Pedro.

           Momentos depois o autocarro largava-nos junto a esta porta de acesso ao santuário que assiná-la o local onde se deu o milagre da Multiplicação dos Pães e dos Peixes. "Ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e compadeceu-Se deles, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou então a ensiná-los demoradamente. A hora ia já muito adiantada quando os discípulos se aproximaram e Lhe disseram: " O sitio é deserto e a hora já adiantada. Manda-os embora para irem às herdades e aldeias comprar de comer". Respondeu-lhes : " Dai-lhes vós mesmos de comer" (Mc. 6: 34-44).

 

            Após a entrada, um amplo pátio-claustro com alusões ao milagre,  um lago com peixes e uma oliveira antecedem a entrada no santuário.

           No pátio, a oliveira

 

          Na igreja, o local onde segundo a tradição Jesus, reunido com os apóstolos, falou à multidão e ordenou aos apóstolos: "Dai-lhes vós mesmos de comer". Esta igreja recorda a alimentação dos mais de cinco mil e inclui uma porção da rocha onde a refeição milagrosa foi colocada. Ali são ainda visíveis na igreja, de estilo bizantino, mosaicos do séc. v.

           A tarde ia crescendo e neste momento eram exactamente 15h00, em Portugal; mas em Israel eram 17h00. E meia hora depois começa a escurecer.

           Isto para dizer que passados seis minutos estávamos junto a este desvio para visitar a Igreja do Primado de Pedro, mas em vão; fecha precisamente às 17h00 locais. De modo que fiquei sem poder visitar a igreja que dentro tem uma rocha visível chamada "Mensa Christi" (Mesa de Cristo) , na qual Jesus se teria sentado com os apóstolos a quando da instituição do primado de Pedro. As maravilhas são muitas e os dias curtos...Mas a jornada deste dia foi grande e também de adeus ao Mar da Galileia; amanhã é outro dia.

 

           Portão de entrada na cerca da "Igreja do Primado".

13.03.12

Cafarnaum

aquimetem

           Eram, na hora portuguesa, 12h20 e já o grupo com o almoço comido deixava este acolhedor espaço junto às margens do lago da Galileia para ir ao encontro das ruínas da antiga Cafarnaum

          Uns 10 minutos decorridos estávamos a dar entrada neste portão ou seja na zona envolvente do que foi uma das mais importantes cidades do lago. A sua posição estratégica no entroncamento das mais importantes estradas da região, fez com que a cidade crescesse e fosse então das mais povoadas. 

          Como Tiberiades, também Cafarnaum com as invasões árabes e a longa ocupação dos turcos otomanos na região que durou até ao fim da primeira Guerra Mundial viu praticamente destruído todo o seu património biblico, de forma que hoje restam apenas ruínas da antiga cidade.

          Muitos dos acontecimentos importantes da vida de Jesus aconteceram  aqui, ou perto,  foi o caso da chamada  dos primeiros  apóstolos “ Passando ao longo do mar da Galileia, viu Simão e André, seu irmão, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores. Jesus desse-lhes  “Vinde após Mim e farei de vós pescadores de homens”. Deixando imediatamente as redes, seguiram-n’O” (S.Marcos  1: 16-18)

          Em Cafarnaum foi ainda onde se deu a cura  da sogra de São Pedro e de outras pessoas que foram a casa dela;  do criado do centurião e da mulher doente; a cura de um paralítico e o primeiro confronto de Jesus com os escribas e os fariseus, na sinagoga.

          Cafarnaum

          Cafarnaum

           Cafarnaum

           No subsolo, as ruínas da casa de Pedro. "Deixando a sinagoga, entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava com muita febre e intercederam junto d'Ele em seu favor...(Lc 4:38-40)".       

08.03.12

Mar da Galileia

aquimetem

 

            Viajar ao longo destas sedutoras e místicas paragens que a mão do povo judeu cuida com todo o desvelo, constitui além do regalo de ver as coisas bem feitas, uma verdadeira lição pedagogica dada a forma como aquele povo se serve da tecnologia para produzir riqueza e bem estar social.

 

          Peritos na rega gota-a-gota, por esse sistema Israel tem a quase totalidade do seu espaço geográfico regado dessa maneira. São muitas  toneladas de mangueira empregues no sistema e que distendidas, como aqui neste canteiro, por todo o país, levam à terra o nectar necessário para ela produzir.

          A distância entre Yardenit e Tiberiades é curta, cerca de 10 a 15 minutos por boa estrada está o trajecto feito. Aqui para imitar Jesus neste Mar da Galileia há que parar e fazer uma viagem pelo lago. Assim se fez.

 

          Para o efeito, diversas embarcações tradicionais da região aguardam, perto do cais de embarque, pela vez de poderem levar em digressão algum dos miuitos peregrinos que diariamente visitam a Terra Santa.

          Não fugindo à regra, também o nosso grupo conheceu essa agradável sensação de viajar dentro de um barco que dizem é uma replica autentica dos do tempo de Jesus. Só isso basta para se ficar feliz e dar graças. " ....Andando ao longo do mar da Galileia...lançaram a rede ao mar, porque eram pescadores" (Mt 4: 18)

 

           Já no barco, recorde-se que antes de iniciar o passeio, a Holyland Sailing.Lda., proprietária da embarcação, sabendo-nos peregrinos portugueses, teve a gentilesa de nos honrar com a exibição da nossa  Bandeira e entoar do Hino Nacional por um experimentado grupo musical contratado. Estes são momentos em que fora de Portugal, nos sentimos mais portugueses. E é também como disse: com este povo estamos sempre a colher ensinamentos. 

          Tiberiades, cidade fundada por Herodes Agripa, hoje nada tem a ver com a cidade do tempo de Jesus, mas é o principal povoamento das margens do Lago ou  Mar da Galileia. 

          No barco os nossos pacientes e atenciosos guias turisticos: o judeu, Sr. Yaacov Kreiman; e a portuguesa, Rosário.

Vídeo que dá uma melhor perspectiva do lago e da cidade de Tiberiades

 

          Já dentro do autocarro para arrancar com destino ao restaurante, até porque os ares de Mar da Galileia abriram o apetite à lusitana camaradagem  

 

          E passados 10 minutos estavamos nós já em terra de Cafarnaum para neste tipiico restaurante na margem do lago almoçar e depois fazer a resto da visita de uma jornada,  que nesse dia ainda ia a meio, eram então 11h15, do passado dia 16 de Fevereiro. 

08.03.12

Rio Jordão (Yardenit)

aquimetem

           Através do cultivado vale de Jizrael, vizinho do Monte Tabor, onde a par dos cereais, as amendoeiras, a vinha e demais árvores de fruta são aqui a nota dominante, vamos na direcção do Mar da Galileia visitar o local que no entender dos israelitas Jesus foi baptizado no rio Jordão.

 

          Para Israel tal como o vale de Jizrael, também o vale do Rio Jordão constitui uma das suas regiões agrícolas mais férteis. O Rio Jordão corre por uma longa depressão geográfica que se estende por Israel, Jordânia e Cisjordânia chegando ao sopé do Monte Golan.

 

            Nessa longa depressão encontram-se o rio Jordão, o vale de Hula,  o Lago de Tiberíades e o Mar Morto. Aqui vê-se o Lago ou Mar de Tiberíades,  com o Rio Jordão a jusante e  vizinho desse mar onde  se despeja para depois reiniciar a marcha com destino ao Mar Morto. 

            Às 08h50 já estávamos a dar entrada na porta de acesso o local que para Israel é tido como sendo onde Jesus foi baptizado por São João Baptista. Por isso é que desde 12 de Julho de 2011 esse local, situado na margem ocidental do Jordão, na Cisjordania ocupada, foi equipado com modernas instalações pelo governo israelita.

 

           Foi esta a primeira imagem que recolhi do Jordão, um dos rios mais famosos do mundo, não pelo seu tamanho, mas sim pela sua história.

          Muito poluído, no entanto não deixa de estar povoado por certas espécies mais resistentes à degradação ambiental, como é o caso do peixe-gato, ou dos castores, que por tão habituados com as visitas sobem ao encontro das pessoas à espera que lhe dêem algum petisco. 

  

          Neste placar consta a identificação do local: Yardenit.

           Como em Cana, com o Matrimonio; também no Rio Jordão, com o Baptismo, é tradição fazer-se a renovação desse Sacramento. Uns por imersão no rio, como ao fundo se vê um grupo trajando de branco; outros apenas derramando uma pequena quantidade de água sobre a cabeça, caso do outro grupo paralelo; ou no caso do nosso, aqui de boné avermelhado, que constou de ouvir da boca do nosso assistente espiritual a repetição da formula cristã desse Sacramento.

 

          Ainda ali, o Sr. Padre Melquíades leu-nos um trecho do Evangelho alusivo ao Rio Jordão: " Então veio Jesus, da Galileia, ter com João , ao Jordão, para ser baptizado por ele. João opunha-se, dizendo: " Eu é que tenho necessidade de ser baptizado por Ti. E Tu vens a mim?"( Mt. 3:13-14).

 

   

          Entrada e saída com passagem pela loja das recordações

 

              Loja de recordações. Quem quis comprou,  quem não quis andou.

 

           Saída da loja por esta colunata ao encontro do autocarro que nos esperava.

  

          E cá esta ele, com o nome da Verde Pino e de PORTUGAL bem visíveis; eram 09h50 quando o nosso competente  motorista arrancou para mais outra etapa de sonho.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Fazer olhinhos